Aprender brincando

Está mais do que comprovado: criança aprende brincando. E é assim que a educação infantil se realiza no “Viverzinho”. De forma natural, com brincadeira e muito diálogo. Aqui não há um lugar especifico para aprender: todo o espaço da escola é sala de aula. São criados os cantinhos temáticos, onde eles estudam o tema escolhido. Definido o interesse, ele se transforma em matéria para o trabalho dos professores com muita criatividade e jogos simbólicos.

As crianças dessa faixa etária aprendem, sobretudo, através da ação e descoberta; desta maneira o ambiente e as experiências individuais são vitais para seu aprendizado. O desenvolvimento natural de cada criança é único e individual, e nós respeitamos e acreditamos nisso.

A escola não faz distinção entre brincar e trabalhar, uma vez que vê o brinquedo como maneira de trabalho da criança. Enxergamos as diferentes áreas do conhecimento como um todo, integradas, e nunca como entidades separadas.

20190218_102953

É um jornal produzido pela equipe do infantil do Viver. Clique na capa, faça download e fique por dentro de tudo o que acontece no Viverzinho.

Screen Shot 2020-03-01 at 16.30.54
Screen Shot 2020-03-01 at 16.31.04
Screen Shot 2020-03-01 at 16.31.16
Screen Shot 2020-03-01 at 16.31.29
Screen Shot 2020-03-01 at 16.31.47

Da curiosidade para a pesquisa

Mais ágeis, espertas e fortes, as crianças dos 6 aos 10 anos tornam-se mais autônomas fisicamente ao mesmo tempo que aumenta seu leque de conhecimentos e suas tantas possibilidades. Elas estão na fase do “Pesquisador (a)” e passarão paulatinamente por um processo de adaptação ao universo propriamente escolar: lidar com horários e espaços delimitados, mas sem perder a curiosidade, o gosto pela escola, a brincadeira e a possibilidade de interferir na escolha de temas.

Se usarmos como metáfora para o conhecimento do mundo e de si mesmo a ideia de um edifício, nessa fase caberá à escola sedimentar a fundação desse prédio, ou seja, desenvolver certos conhecimentos e habilidades básicos: a leitura e a escrita, o raciocínio lógico, o cálculo e suas dimensões variadas, o desenvolvimento de autoimagem, desenvolvimento da cooperação e de outras habilidades sociais e ampliação da compreensão do meio natural e social.

F1

Conhecimento e autonomia

E chegamos à adolescência. Momento em que acontecem as mudanças físicas e emocionais e a revisão de sua relação com os outros. É quando entramos com a tutoria para dar apoio tanto no desenvolvimento escolar quanto emocional. Nesta fase, entre tantos desejos, querem ser reconhecidos pelos pais e outros adultos como alguém capaz de decidir. Passam a compreender de maneira mais sistemática e aprofundada as diversas áreas do conhecimentos (disciplinas), bem como são capazes de trabalhar com recortes temáticos, projetos interdisciplinares, coletivos e individuais.

Se com os mais novos o Colégio Viver caracteriza-se pelo privilégio da ação, com esse grupo a reflexão passa para primeiro plano. Afinal, trata-se de um grupo que, contraditoriamente, está desenvolvendo habilidades complexas ligados ao pensamento abstrato, ao mesmo tempo que, do ponto de vista emocional, é basicamente impulsivo. A reflexão torna-se então uma ferramenta a mais para desenvolver autocontrole.

Além disso, aproveitando o momento de busca de novos interesses e identificação dos adolescentes e sua maior capacidade de processar conhecimento, essa é a oportunidade de ampliar consideravelmente os horizontes dos estudantes, oferecer um repertório de temas e tipos de atividade que podem ser aprofundadas nas situações em que a escola oferece escolha (Projeto Pessoal, disciplinas eletivas, disciplinas optativas).

A ênfase, mais do que nunca, está na compreensão, uma vez que o adolescente é capaz de desligar-se facilmente, principalmente frente a informações para as quais não vê sentido ou utilidade.

F2

Mais amor, por favor

E se apostamos no aprendizado autônomo desde o infantil, porque seria diferente no Ensino Médio?

Vamos abordar conteúdos e habilidades requeridos nas famosas provas (ENEM e vestibulares). Mas sem despejar volumes absurdos de informações. A compressão dos conteúdos é muito mais eficaz quando os estudantes encontram sentido naquilo que estão estudando, estabelecendo conexões entre saberes e com a vida. Daí a importância dos projetos individuais e coletivos, da autonomia para definir o que e como estudar a cada momento.

A proposta pedagógica para o Ensino Médio do Colégio Viver aceita a aprendizagem por projetos (individuais e coletivos) juntamente com a aprendizagem mais dirigida (aulas, módulos, oficinas e cursos).

Um mapa curricular (com objetivos e habilidades a serem desenvolvidos ao longo dos 3 anos) e um mapa temático será apresentado para o estudante logo no início do primeiro ano escolar, com o intuito de organizar passo a passo a busca pelo conhecimento, seja planejando metas para um período, seja assinalando o que já foi estudado, individualmente ou em grupo. Os conteúdos serão integrados para ajudá-lo na consecução desses objetivos e habilidades.

Com isso cada aluno poderá ir desenhando seu próprio percurso integrado com os trajetos coletivos desenhados pelo próprio grupo. Cada aluno terá a liberdade de escolher seu caminho, criar suas trilhas principais e paralelas, estabelecer seus próprios objetivos parciais e finais, assim como suas metas de aprendizagem e estudo contando sempre com o suporte e acompanhamento periódico do tutor e dos professores de área. A única condição será que ao longo dos três anos escolares, o aluno tenha conseguido atingir o mapa na íntegra.

IMG_9920_Original